25 de fev de 2009

DEVANEIO POÉTICO

RASGA-ME O VÉU!...
Maria Dorinha,
25/02/09.
Olho a noite escura,
rogo por ti criatura.
De joelhos em prece,tal como no confissionário,
assumo a culpa por te amar com vestes.
Minha face coberta com véu negro,
esconde a minha triste labuta
em desejar-te em um tempo,que se definha incerto…
Há tempo que desfio lentamente o véu
para te expor minha frágil armadura.
Prefiro me perder nesta saída labiríntica,de que morrer sem este amor desmedido
e moer eternamente em um tempo perdido…
Meu jugo é esperar incerta…
Oh, não sejas descuidado!...
Terminas de desfiar o véuem cadência e em partitura
ou rasga-o com força insana, delirante.
Contempla a minha alvura sem tecedura!…
Ama-me, o tempo é incerto,
ainda possuo uma tênue linha vital.
Aguardo-te por um sopro de vida
para transmutar este momento fugaz em imortal…
Meu corpo perecível será quimera,
neste sonhar descomunal…
Não demoras, a morte invade a vida,
mas antes, desejo-te amar.
Juro que serei intensa…
Que seja último sopro a exalar!…

24 de fev de 2009

Luxúria





Não dividi,nem repartí
Somei...

Sem vergonha

Somei pecados
Apetites
Paladares infinitamente gulosos

Sem culpa
Os talheres deixei

Conferência do Cerrado






Da obra
Conferência no Cerrado é uma narrativa infanto-juvenil com temática voltada à questão ambiental. A história, escrita originalmente por Durval de França e recriada por Cristina Campos, tem como protagonistas seres encantados que povoam o imaginário de culturas tradicionais da Baixada Cuiabana: Currupira, Pé de Garrafa, Negrinho D’Água, Mãe do Morro, Tibanaré e Boitatá.
Sob inspiração de Currupira, essas forças protetoras da natureza, indignadas com a ação predadora do homem sobre o meio ambiente, organizam uma conferência na caverna Aróe-Jari, em Chapada dos Guimarães-MT, para discutir que providências tomar a respeito. Suas estratégias de deslocamento até a caverna são fantásticas. O evento, revestido de magia, dá muito o que falar e mobiliza todo o povo da região.
Chama atenção a impecável ilustração de Ricardo Leite, que amplia a recepção da obra para um público universal. A publicação do livro foi viabilizada pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura.


Sobre os autores
Durval de França graduou-se em Biologia, pela Universidade Federal de Goiás (1970); em Pedagogia, pela Universidade Federal de Mato Grosso (1981) e especializou-se em Didática, pela Faculdade de Educação de Assis-SP (1989). Foi professor da rede pública municipal e estadual. Publicou os livros Quadra do Tempo (1975), Além dos Pântanos (1984), e Pantanal e a Mãe do Morro (1996), além de crônicas e contos em jornais mato-grossenses. Escreveu, também, as peças teatrais Sonhos de Tereza e Quadra do Tempo (1975), adaptada do livro homônimo. Faleceu em Cuiabá-MT, em 1998.

Cristina Campos é graduada em Letras, pela Universidade Federal de Mato Grosso (1983), e doutora em Educação, pela Universidade de São Paulo (2007). Leciona Português e Literatura no Centro Federal de Educação Tecnológica de Mato Grosso. Publicou o livro Pantanal Mato-grossense: o Semantismo das Águas Profundas (Entrelinhas, 2004); é produtora da publicação literativa Dazibao, fruto de um projeto que estimula a criação literária a partir de laboratórios vivenciais, realizado com professores e alunos do Cefet-MT e outras instituições educacionais; é revisora e organizadora de diversas publicações.



DEVANEIO POÉTICO

MISTÉRIO
Maria Dorinha,
24/02/09.



O mistério que me envolve

é uma força sobrenatural,
cujo influxo emerge
dum turbilhão de sentimentos,
que abarrota, possue, encharca,
acolhe e distribui…

Que SER que me perdura,
acalma, transforma e atrai…

Que força que me sustenta,
levita, transcende e irradia…

Que mistério que envolve meu ser,
sem ciência, sem consciência,
numa relutância racional, (a)histórico,
por não observar, explicar e ter…

Que mistério pleno, que não nego, por perpassar,
inexplicavelmente, todo o meu viver…


Quem sou eu

Minha foto
Maria Dorinha
Cuiabá, MT, Brazil
"UM ETERNO APRENDIZ DOS SONHOS QUE LEVAM AOS CAMINHOS DA UTOPIA ( Maria Dorinha )."

Onde tiver gente, lá estará o INCLUSÃO LITERÁRIA