24 de jun de 2007

UM ANO SEM ELE - SAUDADES


CANÇÃO DA AMÉRICA

( Milton Nascimento)

Amigo é coisa pra se guardar
Debaixo de sete chaves
Dentro do coração
Assim falava a canção

Que na América ouvi
Mas quem cantava chorou
Ao ver seu amigo partir
Mas quem ficou , no pensamento voou

Com seu canto que o outro lembrou
E quem voou , no pensamento ficou
Com a lembrança que o outro cantou
Amigo é coisa pra se guardar

No lado esquerdo do peito
Mesmo que o tempo e a distância digam não
Mesmo esquecendo a canção
O que importa é ouvir

A voz do coração
Pois seja o que vier , venha o que vier.
Qualquer dia, amigo eu volto a te encontrar
Qualquer dia, amigo , a gente vai se encontrar

23 de jun de 2007

AMBIDESTRA MÃO

Cami Vedoveto

Solte minha mão
Pegue meu braço e me guie
Pois a parte destra em mim
Quer amortecer os erros

Conduza meu braço obediente
Gentil pastor
Amarre esta cigana mão
Por a vida assina com cruel tinta

Esta ambidestra mão
Que te acaricia
Mas te persuade

Mão que recita e os lábios calam
Invocando nomes
Acenando adeus

UNIVERSO ADICTO - O LIVRO


UNIVERSO ADICTO
Marília Teixeira Martins
Editora Cobertura Cristã
Belo Horizonte - MG

UNIVERSO ADICTO - Alcoolismo e drogadicção - Volume 1
PREFÁCIO Por Leonardo Ramalho
Conheci Marília quando divulguei, pela primeira vez, meu novo livro no Orkut em 2005, que tem em seu contexto mensagem sobre a doença do alcoolismo. Logo no primeiro scrap que dela recebi, fiquei admirado com seu conhecimento sobre a Dependência Química.Daí, não paramos mais de nos comunicarmos envolvidos pelo tema e pelas inúmeras perguntas sobre alcoolismo que me chegavam por e-mail.Sempre muito dedicada a essa causa, ajudou-me, com sua incontestável competência, esclarecer as questões que me eram dirigidas.Algum tempo depois iniciamos parceria através do site que ela me recomendou.
Desde então solidificamos esse projeto com seus blogs e mais recentemente com seus artigos em pps. Parceria esta que muito me orgulha e honra. E agora tenho o privilégio de escrever este breve prefácio.Falar de seus artigos neste momento seria desnecessário, pois vocês poderão apreciá-los neste primeiro livro de Marília, pelo qual me sinto orgulhoso em ter insistido teimosamente para que ela o editasse.
Sua leveza, simplicidade e profundidade com que aborda o assunto levarão conhecimento e alento a todos os adictos e não adictos, contribuindo para uma vida melhor e para um mundo “limpo”. Em seguida apresento meu artigo sobre alcoolismo, como breve introdução deste livro.Com amor,Leonardo Ramalho.Quem quiser reservar o livro, favor entrar para a comunidade criada exclusivamente para este fim. Lá estão todas as explicações para a aquisição do livro. http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=34200799

MARÍLIA TEIXEIRA MARTINS


Marília Teixeira Martins
Psicóloga Clínica

Sou psicóloga, atuando também na área de Dependência Química, tema que sempre me fascinou. E falar sobre ele, eu sei, exige cautela. Por outro lado, tornou-se um desafio em minha vida. Costumo dizer que eu não o escolhi, o tema me escolheu. Mas, por que e para quê? Confesso que durante muito tempo busquei respostas para esta indagação pessoal e por mais incrível que possa parecer, ainda não as encontrei. Resolvi, então, aceitar me entregar ao “chamado” e agir.
Criei um site na internet como resultado direto de uma dessas ações. E agora, uma ousadia ainda maior: a publicação deste livro com alguns artigos já divulgados. Um desafio, um sonho, uma realidade.

Trabalho com o dependente químico desde sua rendição e pedido de ajuda, passando por seu processo efetivo de recuperação e pela constante sombra da recaída... até sua libertação dos químicos; enfim, através da sua incessante busca de crescimento e de reencontro consigo mesmo.

Como uma criança que nasce e passa por vários estágios até seu completo caminhar, o dependente químico que quer vencer alcança sua sobriedade e recuperação. Resgata tudo e todos que perdeu em função de uma doença tão devastadora, deixando de ser o “escolhido”, abraçando com muita dignidade e garra sua liberdade em “escolher”.

Conheço de perto a luta que enfrentam. Portanto, a todos os que optaram por sua sobriedade e recuperação e àqueles que ainda não optaram, mas estão a caminho, o meu profundo respeito e admiração.

A DUPLA FACE HUMANA

A Dupla Face Humana

Marília Teixeira Martins

O maior investimento que tenho feito em meu consultório junto aos clientes no processo de autoconhecimento, diz respeito às suas sombras “escondidas” e/ou emoções reprimidas. É incrível a quantidade de pessoas que acabam criando para si mesmas uma enorme dívida emocional, simplesmente por não reconhecerem seus sentimentos mais primitivos!

Acabam por ficar estacionadas em uma condição de desequilíbrio, no qual os sentimentos, em vez de serem expressos e manifestados de forma adequada, são contidos e presos numa armadilha, exaurindo assim as energias necessárias para uma vida plena.

Prisioneiras de suas próprias sombras pensam que se mostrarem uma determinada emoção serão exibidas sob luz desfavorável e julgadas dentro de uma escala de valor. E livrar-se dessa dívida emocional contraída por elas mesmas é um dos objetivos prioritários no processo de crescimento. Assumir e responsabilizar-se por seus próprios sentimentos, sejam desconfortáveis ou não, levam-nas a uma compreensão fiel de como se relacionam consigo mesmas e conseqüentemente com os outros que participam de seu “mundo”.

A partir do momento em que começam a se aceitar a si mesmas e o que têm de humano, incluindo defeitos, concluindo que mesmo sendo imperfeitas como são, ainda são dignas e merecedoras da tão desejada felicidade, reúnem energias suficientes para atuar de forma efetiva sobre suas sombras e/ou emoções reprimidas. Sentindo-se libertas, ficam prontas e fortes para, aí sim, ir em busca de mais luz.

Enfim, não existe outro caminho para o desenvolvimento humano que não seja o de admitir, reconhecer e aceitar o fato de que somos luz e sombra ao mesmo tempo e responsáveis diretos por nossa condição e evolução, autores e sujeitos de nossa própria vida.

14 de jun de 2007

MICHELE SATO - POEMETOS AMBIENTAIS

Minha queridíssima amiga e, agora, sócia.
Michele Sato

O haikai é um estilo poético japonês com metria silábica de 5-7-7 e variações. Bashô, o grande mestre japonês foi traduzido por diversos poetas, inclusive pelo brasileiro Paulo Leminski. Alice Ruiz é outro bom nome nacional, entre outros, mas um representante notável em escrever poemetos é o nosso poeta pantaneiro Manoel de Barros.

Em recentes festivais e concursos, entretanto, há uma modelagem que permite as variações do haikai. Mantendo a essência, a arte destes poemetos é escrever grandezas da vida ou das pessoas, em eventos, fenômenos ou contexto usando poucas palavras. Nesta reinvenção, poderia chamar minhas tentativas de 'haiquase', mas desnudo-me das vergonhas e venho a público colaborar com o querido amigo Clovis Matos, já que a proposta é de inclusão literária.
Assim seja!

Comentários são bem-vindos: http://br.f508.mail.yahoo.com/ym/Compose?To=michelesato@gmail.com
Abraços aprendizes


desenvolvimento
des-envolvimento
dê envolvimento
.;.*:
*;.
Com-sumir a Terra
consumo
sumir seu sumo
.;.*:
*;.
to the blue earth
fight against its death
pink floyd!
.;.*:
*;.
Ipê amarelo
No verde cerrado
Espalha aroma dourado
.;.*:
*;.
Sustentabilidade
Sustenta habilidades
E debilidades
.;.*:
*;.
Pensantes
Pensameio
Pensapós
.;.*:
*;.
Memória da contracultura
legado rebelde contra a
monocultura
.;.*:
*;.
calor no centro-oeste
com cerveja
bate-papo se veste
.;.*:
*;.
Educ-ação ambiental
Educa-paixão
Eco da ação-reflexão
.;.*:
Em cavernas escuras
Até morcego brilha
Quando o amor chega em fagulhas
.;.*:
*;.
Ousadia e temperança
Na luta ecologista
Dualidade de quem tece esperança
.;.*:
*;.
Hoje é lua cheia
O lobisomem transforma
E o mito contagia
Mariana mítica
Ondula água
Na baía pantaneira rítmica
.;.*:
*;.
Nas notas musicais
Voa o sonho
Construindo haikais
.;.*:
*;.
Esperança
Espera trança
Dorme a criança
.;.*:
*;.
Se tudo parece breu
Mergulha para dentro:
A beleza se encontra além do céu
.;.*:
*;.
Campo de dente de leãoLeva a sementeNa brisa do coração
.;.*:
*;.
FLORESTA
Floresta
O aroma voa na brisa
A Flor resta
.;.*:
*;.

Em dias de brisa
Rodopiam folhas
De árvores rugosas e lisas
.;.*:
*;.
Educação e ambiente
Qual a rima
Liga coração e mente?
.;.*:
*;.
Cerrado em ruínas
Pela boca da soja
Devora sonhos de menina
.;.*:
*;.
Na turbulência do clima
A estrela chora
Nem a lua enamora
.;.*:
*;.
Caracol de aconchego
Até quando viaja
Se aventura carregando sua casa!
.;.*:
*;.
No mosaico da vida
fios e meadas
dançam cingidos no universo
.;.*:
*;.
Michèle Sato (http://br.f508.mail.yahoo.com/ym/Compose?To=michelesato@gmail.com)Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, GPEAUniversidade Federal de Mato Grosso, UFMTAv. Fernando Corrêa da Costa, sn Coxipó, Cuiabá, MT, BRASILCEP: 78060-900Tel. 55-65-3615 8443 Fax: 3615 8440http://www.ufmt.br/gpea/index.htm----------------------V ENCONTRO - Rede Mato-Grossense de Educação Ambiental - REMTEA http://www.ufmt.br/remtea/index.htm----------------------Congresso Lusófono de Educação Ambientalhttp://www.ceida.org/congreso_ea/portugues/preinscricion.htmlspot no utube:http://www.youtube.com/watch?v=J5me9UjQQRM

12 de jun de 2007

CAMILA VEDOVETO

No ilícito prazer do utópico
Adulo a loucura inerte
Onde a fumaça acaricia minha face
Mas logo a atira no chão

No chão junto à vaidade fosca
Onde meus olhos opacos suplicam satisfação Minerva tornou-os inúteis
Incapazes de saciedade

Meus olhos anestesiados plagiam
Insensíveis lágrimas inábeis de convencer a todos Inábeis de convencer a mim mesmo...

INFORMAÇÃO PNLL - Plano Nacional do Livro e Leitura


Escritores fazem propostas para democratizar a leitura


Em encontro entre escritores e o secretário-executivo do PNLL, José Castilho Marques Neto, no Itaú Cultural, foram apresentadas e discutidas propostas para a democratização do acesso aos livros e à literatura: Caravanas de Autores, Jornadas Literárias e a criação de um Fundo Nacional pela Literatura, o Livro, a Leitura e as Bibliotecas. O documento com as propostas dos autores, já entregue ao Ministro Gilberto Gil em novembro de 2004, foi entregue a Castilho na ocasião. Nele, propõem-se também a realização de um senso literário para mapear a produção e a formação de um acervo livre de direitos autorais, para democratizar o acesso ao conhecimento. Os escritores contam com um representante no Conselho Diretivo do PNLL e têm assento na Câmara Setorial do Livro, Literatura e Leitura fazendo parte ativa deste processo.


Prêmio VivaLeitura 2007

Quando: até 9 de julho

A maior premiação individual para o incentivo à leitura no Brasil vai receber trabalhos nas categorias "Bibliotecas públicas, privadas e comunitárias"; "Escolas públicas e privadas"; e "Sociedade: Empresas, ONGs, pessoas físicas, universidades/faculdades e instituições sociais".


II Bienal do Livro de Santa Catarina De 20 a 24 de junho



Bienal Capixaba do LivroDe 22 de junho a 1 de julho

MANOEL DE BARROS POETA MAIOR

Nasci para administrar o à-toa
o em vão
o inútil.
Pertenço de fazer imagens.
Opero por semelhanças.
Retiro semelhanças de pessoas com árvores
de pessoas com rãs
de pessoas com pedras
etc etc.
Retiro semelhanças de árvores comigo.
Não tenho habilidade pra clarezas.
Preciso de obter sabedoria vegetal.
(Sabedoria vegetal é receber com naturalidade uma rã
no talo.)
E quando esteja apropriado para pedra, terei também
sabedoria mineral.

HISTÓRIA

Sonhos e Pesadelos na História
Organizadores:
Fernando Tadeu de Miranda Borgese Maria Adenir Peraro
Ed. Carlini & Caniato/EdUFMT
Na história do mundo, tanto o sonho quanto o pesadelo andam quase que juntos. Sonhos e Pesadelos na História não se fixa num tempo, mas em todos os tempos históricos, portanto, de forma temporal e atemporal, com a intenção de dissecar a cultura do encanto-desencanto, diante de desafios e incertezas em meio a um permanente estado de guerra.
Sonhos de igualdade, pesadelos da exclusão; sonhos de democracia, pesadelos das ditaduras; sonhos de liberdade, pesadelos da escravidão; sonhos de vida, pesadelos da morte; sonhos de paz, pesadelos da guerra; dualidade contraditória em que uma se nutre da outra.
Discutir a presença do sonho e/ou do pesadelo foi o propósito maior para reunir nesta coletânea pesquisadores que, de uma forma ou de outra, vêm se ocupando com a questão.

9 de jun de 2007

Clovis


ETERNO DRUMMOND


Carlos Drummond de Andrade


(...) Pois de tudo fica um pouco.
Fica um pouco de teu queixo
no queixo de tua filha.
De teu áspero silêncio
um pouco ficou, um pouco
nos muros zangados,
nas folhas, mudas, que sobem.
Ficou um pouco de tudo
no pires de porcelana,
dragão partido, flor branca,
ficou um pouco
de ruga na vossa testa,
retrato.
(...) E de tudo fica um pouco.
Oh abre os vidros de loção
e abafa
o insuportável mau cheiro da memória.

"Procuram-se ratos de biblioteca. Paga-se bem."


A Academia Brasileira de Letras e a PETROBRAS se unem para dar um gás no incentivo a pesquisa: o Prêmio Afrânio Coutinho.


O Prêmio, instituído em comemoração do 1º aniversário da Biblioteca Rodolfo Garcia, vai contemplar trabalhos de pesquisa que utilizem as obras da Coleção Franklin de Oliveira.
Poderão concorrer alunos e professores da área de ciências humanas, jornalistas, pesquisadores e usuários que tenham sido previamente inscritos na Biblioteca. Serão premiados os três melhores trabalhos: o primeiro colocado receberá R$ 8.000,00, o segundo R$ 5.000,00 e o terceiro R$ 3.000,00.


Com essa iniciativa, a ABL e a PETROBRAS incentivam a produção cultural brasileira, e oferecem aos pesquisadores a oportunidade de conhecer a Coleção Franklin de Oliveira da Biblioteca Rodolfo Garcia, com um acervo de 70.000 volumes, especializado em filosofia, filologia, lingüística, literatura, história e ciências humanas."


Inscrições e mais informações no próprio site e na Biblioteca Rodolfo Garcia, Avenida Presidente Wilson, 231, 2º andar (Palácio Austregésilo de Athayde) – Castelo – Rio de Janeiro – RJ, Tel. (21) 3974-2506 ou 3974 2541, e-mail brg.divulgacao@academia.org.br



7 de jun de 2007

Durães

SOLANGE DURÃES
Imagem

Da janela
assisti
a dança sutil
(...das papoulas...)
derramadas
pelo vento.

CIRCUITO MT

E assim, criando estilo próprio, com uma equipe enxuta, mas empenhada e com as mais diversas fontes de informação, que trabalhamos. Estamos ainda pequenos, mas é com a certeza de que nosso potencial é ilimitado que vamos caminhando rumo a mais um ano que, como a certeza de que o sol nasce todos os dias, será brilhante.

O Inclusão Literária está aí, todas as sextas-feiras, nas paginas do Caderno 2 mostramos um pouco do que se produz em literatura, no Brasil e em Mato Grosso.

É um espaço destinado à divulgação, preferencialmente, de autores mato-grossenses.

LIBERDADE

Este é um espaço livre e democrático: deixe sua opinião e sugestões.

Para avançar em nosso projeto e levar leitura cada vez mais longe e a mais pessoas, estamos aceitando doação de livros.

inclusao.literaria@hotmail.com - entre em contato.

Clovis Matos
Coordenador

DICA DE LEITURA

Mais uma vez a Escala Educacional sai na frente e inova ao produzir excelentes livros para crianças e adolescentes. Com a nova Série "PERIGO À VISTA", que traz em um formato inédito e eletrizante, a Editora faz uma revisão de conteúdos escolares trabalhando com textos ficcionais.
Para isso foi buscar uma habilidosa e talentosa criadora de personagens, a escritora ROSANA RIOS, que chega deixando todo mundo de cabelos em pé com sua Série "PERIGO À VISTA".
A Série traz histórias de suspense que além de prender o leitor com seus enigmas ainda faz revisão de conteúdos escolares.
Os conteúdos dos livros foram selecionados a partir de levantamento feito nos principais livros didáticos do mercado e também nos PCN/MEC. Apesar de os pricipais livros didáticos variarem de escola para escola, o professor ou os pais da criança, podem consular o Quadro de Conteúdos, no verso das capas, para identificar qual é o livro mais adequado para seu filho ou sua turma.
A BUXA DA CASA AZUL

Num belo dia, a casinha azul que abrigou a imobiliária do seu Giuseppeamanheceu habitada... Só que ninguém conhecia a mulher que a tinha alugado eque estava dando um ar estranho à vizinhança. E tudo o que se podia ver doportão eram gatos espalhados pela sala e um enorme caldeirão fervendo no fogão, exalando um cheiro misterioso... Além disso, gatos e mais gatos invadiram os espaços, telhados e praças. De onde vieram? E por quê?
O FANTASMA DA ÓTICA
No bairro em que os amigos Sheilla, João, Álvaro e Daniele moram, muitosbarulhos estranhos e fatos fantasmagóricos começam a acontecer ea deixar as pessoas assustadas. Primeiro, uma estante desaba no meio da ótica do seu Giuseppe... PLAFT! BUMPT! Depois, na biblioteca, os livros de terror insistem em sair sozinhos do lugar e aparecerem... no chão! E, ainda porcima, um desconhecido de terno preto começa a ser visto no bairro...
Perigo à Vista
Editora: Escala Educacional
Autora: Rosana Rios
Ilustração: Carvall
Responsabilidade Editorial: Vicente Paz
R$18,90
Indicado para crianças a aprtir dos 08 anos
Próximos livros da série: O Caso da Chave Dourada. Do Outro Lado do Rio, Em Algum Lugar do Lixão, O Mistério do Cofrinho Vermelho.
Contato
Fone: (011) 3855-2201 - Ramal: 392


















LER OU NÃO





Onofre Ribeiro


Hoje se discute tanto sobre a leitura dentro do mundo dos jovens. De modo geral as pessoas adultas criticam os jovens por lerem pouco. Ou nem lerem nada.
De fato, se compararmos o jovem de 40 anos atrás e o de hoje, antes se lia infinitamente mais.
Mas é o caso de perguntar: lia o que? Lia romances, principalmente. Não havia tantas revistas.
Não havia programação tão interessante na televisão como existe agora. Aliás, a televisão era profundamente sem graça.

Hoje o mundo das revistas é infinito. Tem revista pra tudo. Desde a “Veja” que é uma revista de informações políticas, até a “Playboy”, ou as revistas sobre automóveis, motos, música, Internet, jogos, etc.etc.etc.

Por outro lado, a Internet é outra fantástica arma da comunicação moderna e obriga à leitura de um mundo novo de informações. Sem contar o telefone celular que é um canal moderno de comunicação dos jovens. Quando falam entre si, estão usando informações do seu interesse adquiridas em algum lugar.

Bom, esse é o universo normal da maioria dos jovens brasileiros e mato-grossenses. Mas a grande questão que fica é o vazio de conceitos que hoje perturba os jovens.
A mídia sustenta o universo de informações do mesmo modo que o soro sustenta o doente. Segura a vida, mas não alimenta.

O doente precisa tomar o soro na cama ou imobilizado. A falta da leitura de conceitos e de razões mais profundas não vem da mídia. Vem do livro. Sem esse tipo de informação consistente, o jovem fica como o doente que toma soro.

Nisso está um grande problema da juventude moderna. Sem conhecimento dos processos científicos e das causas que movem todo o processo humano, acaba sendo manipulada pela mídia cotidiana. Como conseqüência acaba escravo de superficialidades como o consumismo, a busca incessante do prazer individual, e muito pouca percepção do futuro coletivo e pessoal. E o pior: não constrói compromissos com o seu futuro e nem o da sociedade onde vive.

Porém, a culpa não é só dos jovens. Lá atrás, uma escola envelhecida dita regras no velho estilo autoritário de 40 anos atrás.

No meio, os jovens vivem o grande dilema: ler, ou não.


Onofre Ribeiro é jornalista



Marina Colassanti

Este mundo é mesmo fantástico quando se descobre a leitura.


Inclusão na Literamérica 2006


Affonso Romano de Sant'Anna em visita ao Stand do Inclusão Literária na Literamérica 2006

Inclusão na Varginha


O prazer de realizar este projeto está aí na foto. A satisfação de uma criança quando entra no livro e descobre um mundo de fantasias e realidades me transporta para o mundo dela e eu também vivo a mesma coisa.

Renatinha

Renata Emy Semoto
Minha mais nova amiga.
Garotinha adorável.
renataemy.blogspot.com