23 de jun de 2007

AMBIDESTRA MÃO

Cami Vedoveto

Solte minha mão
Pegue meu braço e me guie
Pois a parte destra em mim
Quer amortecer os erros

Conduza meu braço obediente
Gentil pastor
Amarre esta cigana mão
Por a vida assina com cruel tinta

Esta ambidestra mão
Que te acaricia
Mas te persuade

Mão que recita e os lábios calam
Invocando nomes
Acenando adeus

UNIVERSO ADICTO - O LIVRO


UNIVERSO ADICTO
Marília Teixeira Martins
Editora Cobertura Cristã
Belo Horizonte - MG

UNIVERSO ADICTO - Alcoolismo e drogadicção - Volume 1
PREFÁCIO Por Leonardo Ramalho
Conheci Marília quando divulguei, pela primeira vez, meu novo livro no Orkut em 2005, que tem em seu contexto mensagem sobre a doença do alcoolismo. Logo no primeiro scrap que dela recebi, fiquei admirado com seu conhecimento sobre a Dependência Química.Daí, não paramos mais de nos comunicarmos envolvidos pelo tema e pelas inúmeras perguntas sobre alcoolismo que me chegavam por e-mail.Sempre muito dedicada a essa causa, ajudou-me, com sua incontestável competência, esclarecer as questões que me eram dirigidas.Algum tempo depois iniciamos parceria através do site que ela me recomendou.
Desde então solidificamos esse projeto com seus blogs e mais recentemente com seus artigos em pps. Parceria esta que muito me orgulha e honra. E agora tenho o privilégio de escrever este breve prefácio.Falar de seus artigos neste momento seria desnecessário, pois vocês poderão apreciá-los neste primeiro livro de Marília, pelo qual me sinto orgulhoso em ter insistido teimosamente para que ela o editasse.
Sua leveza, simplicidade e profundidade com que aborda o assunto levarão conhecimento e alento a todos os adictos e não adictos, contribuindo para uma vida melhor e para um mundo “limpo”. Em seguida apresento meu artigo sobre alcoolismo, como breve introdução deste livro.Com amor,Leonardo Ramalho.Quem quiser reservar o livro, favor entrar para a comunidade criada exclusivamente para este fim. Lá estão todas as explicações para a aquisição do livro. http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=34200799

MARÍLIA TEIXEIRA MARTINS


Marília Teixeira Martins
Psicóloga Clínica

Sou psicóloga, atuando também na área de Dependência Química, tema que sempre me fascinou. E falar sobre ele, eu sei, exige cautela. Por outro lado, tornou-se um desafio em minha vida. Costumo dizer que eu não o escolhi, o tema me escolheu. Mas, por que e para quê? Confesso que durante muito tempo busquei respostas para esta indagação pessoal e por mais incrível que possa parecer, ainda não as encontrei. Resolvi, então, aceitar me entregar ao “chamado” e agir.
Criei um site na internet como resultado direto de uma dessas ações. E agora, uma ousadia ainda maior: a publicação deste livro com alguns artigos já divulgados. Um desafio, um sonho, uma realidade.

Trabalho com o dependente químico desde sua rendição e pedido de ajuda, passando por seu processo efetivo de recuperação e pela constante sombra da recaída... até sua libertação dos químicos; enfim, através da sua incessante busca de crescimento e de reencontro consigo mesmo.

Como uma criança que nasce e passa por vários estágios até seu completo caminhar, o dependente químico que quer vencer alcança sua sobriedade e recuperação. Resgata tudo e todos que perdeu em função de uma doença tão devastadora, deixando de ser o “escolhido”, abraçando com muita dignidade e garra sua liberdade em “escolher”.

Conheço de perto a luta que enfrentam. Portanto, a todos os que optaram por sua sobriedade e recuperação e àqueles que ainda não optaram, mas estão a caminho, o meu profundo respeito e admiração.

A DUPLA FACE HUMANA

A Dupla Face Humana

Marília Teixeira Martins

O maior investimento que tenho feito em meu consultório junto aos clientes no processo de autoconhecimento, diz respeito às suas sombras “escondidas” e/ou emoções reprimidas. É incrível a quantidade de pessoas que acabam criando para si mesmas uma enorme dívida emocional, simplesmente por não reconhecerem seus sentimentos mais primitivos!

Acabam por ficar estacionadas em uma condição de desequilíbrio, no qual os sentimentos, em vez de serem expressos e manifestados de forma adequada, são contidos e presos numa armadilha, exaurindo assim as energias necessárias para uma vida plena.

Prisioneiras de suas próprias sombras pensam que se mostrarem uma determinada emoção serão exibidas sob luz desfavorável e julgadas dentro de uma escala de valor. E livrar-se dessa dívida emocional contraída por elas mesmas é um dos objetivos prioritários no processo de crescimento. Assumir e responsabilizar-se por seus próprios sentimentos, sejam desconfortáveis ou não, levam-nas a uma compreensão fiel de como se relacionam consigo mesmas e conseqüentemente com os outros que participam de seu “mundo”.

A partir do momento em que começam a se aceitar a si mesmas e o que têm de humano, incluindo defeitos, concluindo que mesmo sendo imperfeitas como são, ainda são dignas e merecedoras da tão desejada felicidade, reúnem energias suficientes para atuar de forma efetiva sobre suas sombras e/ou emoções reprimidas. Sentindo-se libertas, ficam prontas e fortes para, aí sim, ir em busca de mais luz.

Enfim, não existe outro caminho para o desenvolvimento humano que não seja o de admitir, reconhecer e aceitar o fato de que somos luz e sombra ao mesmo tempo e responsáveis diretos por nossa condição e evolução, autores e sujeitos de nossa própria vida.