20 de fev de 2011

BOA VIAGEM, SODRÉ. "O POETA DA TRANSMUTAÇÃO"

Faça-se o poema, de qualquer forma:


aberto,
fechado,
rasgado,
solto,
louco,
livre, rimado, trovado,
travado,
com letras miúdas, grandes, grávidas!
faça-se o poema:
marron, vermelho, branco, negro, roxo, verde,
escarlate ...
cor-de-chocolate,
com batom ou sem batom:
faça-se o poema!
faça-se o poema: é uma ordem da vida!
essa ordem que não tem compromisso
como o poema
que é feito sem compromisso,
pois ele já é em si um compromisso feito
como a vida, feito um poema ...
e o poema se faz
como se faz a dor
costurada, amordaçada, sangrando,
palpitando num delírio
que faz do poema
que faz da dor:
a força que move o mundo!


sonhostantostontossonhos

os sonhos sonhei-os todos
num sonhar desesperado
até me perder sonhando
imerso no meu passado
recordações ilusórias
quimeras imagens tolas
gravadas no inconsciente
"pra" no presente repô-las!
suscitou-me pesadelos
assanhando meus cabelos
oh! era melhor não vê-los
soaram em vão meus apelos!
mas tem sonhos tão gostosos
dá vontade de comê-los
suaves vôos de aves
caravanas de camelos
transportando em seus alforjes
doces, balas, caramelos!
flutuando ... flutuando ... flutuando
feito espuma colorida
que chego a pensar que a vida
é um sonho em movimento.

abismumano

um abismo me separa
dos meus próprios semelhantes ...
mas se tento chegar mais perto deles
sinto estar mais longe
do que estava antes!
é que entro cada vez mais
para dentro de mim mesmo
numa viagem, que se afasta da chegada,
pois vou pra lugar nenhum
numa lenta caminhada ...
... que me diminui
não sou, pois nunca fui...
... apenas me desfaço
como uma estátua que rui! ...

corparia porcorea

todo corpo é porco
todo porco é corpo
pouco porco
muito
porco
todo corpo é porco
todo porco é corpo
corparia
porcórea
porcaria
corpórea
porcoral mente
corporalmente
na cama
na lama ...
corpumano